Há três casas por duas famílias, mas 25% precisa de obras

Sexta-feira, 4 de Julho de 2014

A realidade do parque habitacional português é contraditória e paradoxal. Se por um lado as casas existentes (5,9 milhões) traduz um rácio de 1,45 face ao número de famílias, a verdade é que um estudo encomendado pela Confederação Portuguesa da Construção e Imobiliário (CPCI) conclui que há défice e não excesso de habitações.

 

Retirando as segundas habitações (um milhão), os alojamentos turísticos e as habitações degradadas, o parque habitacional reduz-se a 3,9 milhões, conduzindo a um défice de 102 mil face ao universo de famílias. Segundo o estudo, um quarto do parque habitacional (1,5 milhões de casas) precisa de obras, existindo 126 mil a exigir uma reabilitação profunda por ameaçarem ruína ou a segurança pública. A CPCI considera o estudo traduz "um profundo desfasamento entre a oferta e a procura" e desfaz o mito de que há excesso de casas em Portugal, evidenciando que "subsistem elevadas carências de habitação".
O trabalho realizado por uma equipa da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) será hoje apresentado no Porto durante a conferência a Reabilitação Urbana em Portugal-Presente e Futuro que será presidida pelo ministro do Ambiente e Ordenamento do território, Jorge Moreira da Silva.

 

Reabilitar custa 38 mil milhões


A equipa da FEUP procedeu a um levantamento exaustivo das necessidades de reabilitação de todas as freguesias do país e depois fez as contas ao investimento que a recuperação do parque degradado exige. O número impressiona: 38 mil milhões de euros. Dois terços deste valor (24 mil milhões) correspondem a médias ou grandes reparações.

As grandes cidades são as que apresentam um parque habitacional mais envelhecido e degradado, Por exemplo, requalificar Lisboa custa, segundo o estudo, 9,3 milhões de euros, mais do dobro da Área Metropolitana do Porto (4.4 mil milhões).

A CPCI reconhece que a dimensão do investimento exige um grande envolvimento dos agentes privados, defendendo uma novo modelo de financiamento reservado ao segmento de reabilitação

Licenciamento atrapalha

O estudo da FEUP analisa também o posicionamento das empresas face ao mercado da reabilitação urbana.

A maioria das empresas (44%) reconhece que a atividade nos últimos 12 meses decresceu, mas admite que o nível de produção aumentará nos próximos dois anos.

As empresas apontam como principais entraves à sua atividade a procura por parte dos proprietários (35%), o acesso e custo do financiamento bancário /33%) e complexidade do licenciamento (30%).

 

fonte: ABILIO FERREIRA, Expresso

Outras imagens:

Secções: GeralImprensa

Últimas notícias

Unidade CASA VIVA Green ganha três obras de remodelação no valor de 325 mil euros em Lisboa

2017-11-20

A unidade CASA VIVA Obras Green está de Parabéns ao fechar na última semana três contratos para obras de remodelação em moradias na zona de Lisboa que totalizam mais de 325 mil euros. 

Ler mais

Construção com nono mês consecutivo de crescimento

2017-11-19

De acordo com dados do INE no mês de setembro a construção em Portugal voltou a apresentar crescimento, tendo aumentado neste mês 2,3% em relação ao período homólogo. Este é o nono mês consecutivo de crescimento 

Ler mais

Nova Unidade CASA VIVA Obras em Setúbal

2017-04-03

Setúbal recebe nova unidade CASA VIVA Obras, a maior rede nacional de Gestão de Obras, Remodelações, Reabilitações, Decoração e Construção de Moradias.

Ler mais

Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa 2017

2017-03-27

A quarta edição da Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa tem início hoje à tarde e prolonga-se até o próximo domingo, dia 2 de Abril. O Teatro Capitólio, no Parque Mayer, cuja renovação terminou em Novembro de 2016,  receberá o evento que contará com a presentação do primeiro-ministro António Costa e o presidente da Câmara Municipal de Lisboa Fernando Medina na sessão de abertura do evento.

Ler mais

Fazer obras de remodelação em casa: 3 opções de financiamento

2017-01-23

Às vezes não dá para adiar mais. A casa já sofre com infiltrações, o telhado precisa de ser reparado, as canalizações precisam de uma "mãozinha", a remodelação da cozinha já não pode esperar. Decide recorrer a obras ou remodelações. E é provável que precise de assumir um empréstimo para fazer face a estes gastos.

Ler mais

Secções: GeralObras CASA VIVACASA VIVAImprensaFranchisingArquiteturaCasas de BanhoCozinhasMoradiasReabilitação UrbanaEdifíciosRemodelaçõesDecoraçãoDesign de InterioresTécnicas e DicasInspiração e TendênciasNotíciasEventos

fale connosco